02/07/2019 08:11

Número de casos de gripe em SC sobe para 168 em 2019 Maioria dos pacientes teve gripe A H1N1. Ano registra 18 mortes no estado.

O número de casos de gripe A e B em Santa Catarina segue aumentando em 2019. São 168, conforme o boletim da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) divulgado nesta segunda-feira (1º). O número de mortes continua em 18.

Os registros são do período entre 30 de dezembro de 2018 e sexta-feira (26). No ano passado, foram 256 casos de gripe no mesmo período.

As pessoas que contraíram a doença moram em:

Chapecó - 22 casos

Florianópolis - 20 casos

Blumenau - 17 casos

Joinville - 15 casos

Balneário Camboriú e Brusque - nove casos cada

São José - sete casos

Itajaí, Jaraguá do Sul e Lages - quatro casos cada

Coronel Freitas, Itajaí, Laguna e Tubarão com três casos cada

Biguaçu, Braço do Norte, Camboriú, Canoinhas, Concórdia, Cunha Porã, Maravilha, Mondaí, Pomerode, São Bento do Sul, São Francisco do Sul, São João Batista e Tijucas - dois casos cada

Abelardo Luz, Araquari, Armazém, Balneário Barra do Sul, Botuverá, Campo Erê, Criciúma, Flor do Sertão, Galvão, Itaiópolis, Itapoá, Jacinto Machado, Lauro Muller, Luiz Alves, Navegantes, Palhoça, Penha, , Sombrio, Timbó, Tunápolis e Turvo - um caso cada.

Além disso, há o caso de um morador de São Paulo atendido em Santa Catarina.

Mortes

Em relação aos casos de morte, 16 pacientes tiveram gripe A H1N1 e dois, gripe B H3N2. As vítimas eram moradores de:

Joinville - três casos;

Blumenau, Chapecó, Jaraguá do Sul e Tubarão - dois casos cada;

Balneário Camboriú, Biguaçu, Brusque, Canoinhas, Florianópolis, São Bento do Sul e São Francisco do Sul - um caso cada.

Transmissão

O médico infectologista da Dive-SC, Fábio Gaudenzi, afirma que as baixas temperaturas aumentam as chances de contrair gripe, já que o vírus sobrevive por mais tempo no ambiente. Além disso, as pessoas tendem a ficar em locais fechados.

A gripe pode ser transmitida pelas secreções das vias respiratórias de uma pessoa doente, ao espirrar, tossir ou falar. Ou ainda de forma indireta, por mãos que tocaram superfícies contaminadas. Elas podem carregar o vírus para a boca, o nariz e os olhos.

Prevenção

Para reduzir os riscos de contrair gripe, a Dive-SC recomenda:

lavar as mãos com frequência, principalmente antes de comer;

usar lenço descartável ao tossir, espirrar ou assoar o nariz;

se não tiver lenço, cobrir a boca e o nariz com o antebraço quando espirrar ou tossir;

evitar tocar olhos, nariz e boca;

não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

beber bastante água;

evitar aglomerações;

manter ambientes bem ventilados;

evitar contato próximo com pessoas que apresentem sintomas da gripe;

evitar beijar bebês, já que eles não têm imunidade completa.

A gripe não tratada pode causar pneumonias e, em casos mais graves, levar à morte.

Sintomas

Os sintomas da gripe são:

febre alta;

dor muscular;

dor de garganta;

dor de cabeça;

coriza;

tosse seca.

Segundo a gerente de imunização da Dive-SC, Lia Quaresma Coimbra, a febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias.

Ao ter esses sintomas, a pessoa deve procurar atendimento em uma unidade de saúde imediatamente. Gaudenzi afirma que, caso o tratamento for iniciado logo, pode reduzir a duração dos sintomas e, principalmente, a ocorrência de complicações.

Veja fotos da matéria

Fonte: G1

Mais notícias