13/11/2017 18:05 (atualizado em 13/11/2017 18:32)

Extremo-Oeste - Justiça aplica sentença a indiciados na 2ª fase da Operação Falsário

A Divisão de Investigação Criminal de Fronteira (DIC/Fron), de São Miguel do Oeste, informou nesta segunda-feira (13) que a Justiça Criminal de 1º Grau publicou sentença, ainda no dia 3 de novembro, aos indiciados na “2ª fase da Operação Falsário", desencadeada em março deste ano, após meses de investigação.

De acordo com o delegado, Cléverson Müller, os indiciados foram condenados a penas que ultrapassam os 68 anos de prisão. Eles integravam uma associação criminosa responsável pela comercialização e distribuição de documentos públicos falsificados como cheque, Carteira Nacional de Habilitação e documento de veículo.

Conforme a sentença, Judite Lazarotto foi condenada a seis anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, por organização criminosa.

Evaldinir Luiz Piancini Filho, foi condenado a 38 anos de reclusão por infração aos crimes de organização criminosa, falsificação de documento, receptação, uso de documento falso, adulteração de sinal identificador de veículos (chassi, motor etc.) e corrupção ativa. Ele é considerado foragido e está sendo procurado pela polícia.

Everton de Oliveira Machado, foi condenado a 18 anos de reclusão por infração aos crimes de organização criminosa, adulteração de sinal identificador de veículo (chassi, motor, etc.) e receptação qualificada.

Maria Anedina Bonifário da Silva e Dayelli Fernanda Costa da Silva, foram condenadas a seis anos de reclusão, cada uma, por infração ao crime de receptação qualificada.

Além das penas de reclusão, os réus também foram condenados ao pagamento de dias-multa.

ESQUEMA

Uma mulher, de 46 anos, é quem centralizava os “pedidos” e posteriormente negociava com um falsificador no estado do Paraná. Os criminosos chegaram ao ponto de escolher a instituição bancária e a cidade impressa nos cheques, enquanto com as CNH’s escolhiam a categoria.

Após o depósito bancário, os documentos eram remetidos para o endereço da mulher de 46 anos, moradora de São Miguel do Oeste que, por sua vez, vendia cada folha de cheque a R$ 100, cada Carteira Nacional de Habilitação a R$ 3 mil, e os documentos de veículos (CRV) com valor aproximado de R$ 250.

Durante a investigação foram apreendidas 14 cártulas bancárias da Caixa Econômica Federal, todas em branco e com dados dos correntistas inconsistentes, o que faria com que os cheques jamais fossem compensados. Na residência da acusada também foi apreendido um Certificado de Registro Veicular falsificado (recibo de transferência) e valor considerável em dinheiro.

No imóvel dos demais criminosos foram encontrados dezenas de cheques já preenchidos, contratos de financiamentos e celulares. Durante as buscas também foram encontradas três armas de fogo, resultando na prisão em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e munição de duas pessoas.

Veja fotos da matéria

Fonte: Rádio Progresso

Mais notícias