18/05/2017 09:21

Mulher é presa pela PF com 564 garrafas de bebidas durante a operação Pit Stop

Uma mulher de 28 anos foi presa em flagrante em Camboriú, no Litoral Norte catarinense, na manhã desta quarta-feira (17) durante a operação da Polícia Federal contra suspeitos de trazer bebida alcoólica clandestinamente do exterior para comercialização em Santa Catarina.

A polícia encontrou 564 garrafas de bebidas alcoólicas importadas na casa da suspeita. Ao todo, foram apreendidas mais de 3 mil garrafas - entre vinho, uísque e vodca - em estabelecimentos e na residência, além de dinheiro, segundo a Polícia Federal de Itajaí.

De acordo com o delegado da Polícia Federal em Dionísio Cerqueira, Sandro Luiz Bernardi, os policiais foram à casa da mulher para cumprir mandados de condução coercitiva e de busca e apreensão e se depararam com a grande quantidade de bebidas.

Flagrante

“A polícia não esperava encontrar as bebidas na casa. O flagrante foi por descaminho, pois são bebidas estrangeiras permitidas no país, mas sem notas de comprovação dos impostos”, detalha o delegado.

“Ela é namorada de um dos proprietários das lojas do camelódromo de Balneário Camboriú, onde as bebidas eram comercializadas”, detalha o delegado Thiago Giavarotti, responsável pela operação na região.

Segundo ele, foram cumpridos cinco mandados de condução coercitiva no Litoral Norte. Outros quatro foram cumpridos em São Miguel do Oeste.

De acordo com o delegado Sandro Bernardi, no início da tarde os policiais cumpriam alguns dos mandados de busca e apreensão e sequestro de comércio na cidade do Oeste.

Operação

A operação Pit Stop foi deflagrada na manhã desta quarta em três cidades catarinenses. Segundo a investigação, o esquema movimentou mais de R$ 2 milhões em dois anos.

Conforme a investigação, um morador de São Miguel do Oeste, no Oeste catarinense, comandava a operação. Ele comprou um bar e a família dele adquiriu um restaurante na cidade, ambos de fachada.

A bebida era trazida do Paraguai, Argentina e Uruguai e passava pela empresa fantasma dele, para emitir notas fiscais frias.

“Quando começamos o levantamento, vimos que havia várias apreensões de bebidas envolvendo uma mesma pessoa. Com isso, verificamos que se tratava de um homem de cerca de 30 anos que poderia ser o líder de uma associação criminosa, com ao menos oito pessoas envolvidas", explica o delegado da Polícia Federal em Dionísio Cerqueira.

A carga era transportada para lojas no litoral, principalmente três que operam no Camelódromo de Balneário Camboriú.

Segundo a Polícia Federal, as investigações partiram de uma denúncia sobre o ingresso irregular de bebidas no país.

Veja fotos da matéria

Fonte: G1

Mais notícias