12/03/2019 14:04

Bolsonaro e Abdo conversam em Brasília sobre Venezuela e reiteram apoio a Guaidó Presidentes do Brasil e do Paraguai se reuniram nesta terça no Palácio do Planalto. Autodeclarado presidente da Venezuela, Guaidó faz oposição ao governo de Nicolás Maduro.

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, no Palácio do Planalto — Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, reforçaram nesta terça-feira (12), em uma declaração conjunta, o “firme compromisso” de manter o apoio ao povo venezuelano e ao líder opositor e autodeclarado presidente do país Juan Guaidó.

A declaração foi divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) do Brasil. Nesta terça, Abdo, que está em visita oficial ao Brasil, foi recebido por Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Após o encontro, a nota divulgada pelo MRE informou que os dois presidentes “reiteraram seu firme compromisso de seguir apoiando o povo venezuelano e o governo do presidente Juan Guaidó no processo de transição rumo ao restabelecimento da democracia na Venezuela”.

Brasil e Paraguai estão entre os países que não consideram legítimo o governo de Nicolás Maduro na Venezuela e apoiam Guaidó. Bolsonaro e Abdo, inclusive, receberam Guaidó que fez um tour pela América do Sul em busca de apoio internacional.

Brasil e Paraguai estão entre os países que integram o Grupo de Lima, criado para pressionar para o restabelecimento da democracia na Venezuela. O Paraguai já anunciou o rompimento das relações com a Venezuela.

Conforme a nota do MRE, Benítez convidou Bolsonaro para uma visita oficial ao Paraguai. A nota informou que o presidente do Brasil aceitou o convite. Assim como Bolsonaro, Abdo tem posições conservadoras e formação militar.

A declaração conjunta também registrou que Bolsonaro e Abdo “reafirmaram a importância” da cooperação no combate ao crime transnacional, a fim de buscar “a eliminação das organizações criminosas que atuam em ambos os países”.

Bolsonaro agradeceu o empenho das autoridades paraguaias para acelerar a expulsão do país de criminosos brasileiros de alta periculosidade, entregues à Polícia Federal.

Sobre a renegociação do anexo C do tratado que viabilizou a construção da usina hidrelétrica de Itaipu, a declaração registrou que os chefes de Estado concordam que futuras negociações serão orientadas "pelo mesmo espírito de entendimento construtivo que tem caracterizado esse importante projeto binacional". O anexo em questão trata da parte financeira do acordo e deve ser revisto em 2023.

Os presidentes ainda reforçaram a intenção de construção de duas pontes ligando Brasil e Paraguai (uma no Paraná e outra no Mato Grosso do Sul), custeadas pela usina de Itaipu Binacional.

A previsão é de que as obras durem cerca de três anos e custem cerca de R$ 70 milhões. O lado brasileiro da usina custeará a ponte no Paraná, a segunda em Foz do Iguaçu. A estrutura terá o objetivo de aliviar o fluxo de cargas sobre a Ponte da Amizade, que liga a cidade brasileira à vizinha Ciudad del Este.

Veja fotos da matéria

Fonte: G1

Mais notícias